Sala 8: Revista Internacional em Políticas, Currículo, Práticas e Gestão da Educação
https://revistasalaoito.com.br/article/doi/10.29327/2283270.1.4-4
Sala 8: Revista Internacional em Políticas, Currículo, Práticas e Gestão da Educação
Artigo Prática Pedagógica, Currículo e Formação de Professores

Percepções dos alunos adolescentes sobre as relações de convívio em sala de aula

Célio Rodrigues Leite

Downloads: 1
Views: 568

Resumo

O estudo propõe contribuir para a compreensão sobre as relações de convívio entre professores e alunos em sala de aula considerando a percepção dos alunos adolescentes do ensino médio. Consiste em um estudo quali-quantitativo, de natureza não experimental, descritivo e correlacional, fazendo uma análise da realidade, sem que haja manipulação das mesmas. Participaram deste estudo 42 alunos de ambos os gêneros, com idade variando entre 14 e 19 anos, matriculados numa escola pública da região metropolitana de Curitiba. Os alunos participaram de uma estrevista semiestruturada sobre o convívio entre professores e alunos em sala de aula. A maioria dos entrevistados afirmou gostar da escola, porém destacaram algumas questões e a existência de situações que ocorrem em sala de aula que os incomodam bastante. As atitudes dos professores, mais rejeitadas pelos alunos adolescentes, referem-se àquelas relacionadas à didática do professor, seguida das atitudes coercitivas. Todos os professores melhor avaliados pelos alunos foram percebidos como autoritativos e com baixo controle coercitivo. Os resultados sugerem que os comportamentos inadequados dos alunos em sala de aula se instauram justamente quando o professor usa de mecanismos não muito eficazes, caracterizando-se num estilo de liderança negligente ou permissivo.

Palavras-chave

Aluno. Professor. Ensino médio. Percepções. Relações de convívio.

Referências

ABRAMOVAY, M. et al. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina:
desafios para políticas públicas. Brasília, DF: Unesco, 2002.

BATISTA, A. P. Construção e análise de parâmetros psicométricos do Inventário de Estilos de
Liderança de Professores. 2013. (Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação,
Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013. Disponível em:
<http://www.ppge.ufpr.br/teses/d2013_Ana%20Priscila%20Batista.pdf>. Acesso em: 12 de outubro
de 2014.
BATISTA, A. P.; WEBER, L. N. D. Professores e Estilos de Liderança: Manual para Identificá-los
e Modelo Teórico para Compreendê-los. Curitiba: Juruá, 2015.
BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. (2012) Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012:
Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília,
DF, 2012. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf>. Acesso em:
2 de março de 2014.
CABRAL, F. M. S.; CARVALHO, M. A. V.; RAMOS, R. M. Dificuldades no relacionamento
professor/aluno: Um desafio a superar. Paideia, Ribeirão Preto, v. 14, n. 29, p. 327-335, 2004.
CHARTIER, E. Reflexões sobre educação. São Paulo: Saraiva, 1978.
CORTEZ, C. D. C. Estudar... aprender... ensinar... mudar... transformar-se: um processo contínuo.
In: BÁRBARA, L.; RAMOS, R. C. G. (Org.). Reflexão e ações no ensino-aprendizagem de línguas.
Campinas: Mercado de Letras, 2003. p. 221-234.
COSTA, F. T. da; TEIXEIRA, M. A.; GOMES, W. B. Responsividade e exigência: duas escalas
para avaliar estilos parentais. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 465-473,
2000.
DAYRELL, J. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação
e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1105-1128, out. 2007.
DURKHEIM, E. Sociology and philosophy. Simon and Schuster. New York, NY: Routledge &
Kegan Paul, 1974.
FERNANDEZ, A. A Inteligência Aprisionada. Porto Alegre: Artmed, 1991.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e
Terra, 1996.
GIMENO SACRISTÁN, J.; PÉREZ GÓMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. 4. ed.
Porto Alegre: Artmed, 2000.
GUIMARÃES, S. É. R.; BORUCHOVITCH, E. O estilo motivacional do professor e a motivação
intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da teoria da autodeterminação. Psicologia: Reflexão e
Crítica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 143-150, 2004.

HOUAISS, A. Grande Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa on-line. 2014. Disponível em:
<http://houaiss.uol.com.br/>. Acesso em: 5 de setembro de 2015.
LEVISKY, D. L. Adolescência e violência: conseqüências da realidade brasileira. São Paulo: Casa
do Psicólogo, 2000.
LINS, T. C. D. S. Práticas educativas maternas e problemas internalizantes em pré-escolares.
2014. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/14512>. Acesso em: 10 de Setembro
de 2015.
LUCKESI, C. C. Tendências pedagógicas na prática escolar. In: ______. Filosofia da Educação.
São Paulo: Cortez, 2005. p. 53-75.
MACCOBY, E.; MARTIN, J. Socialization in the context of the family: Parent-child interaction.
In: HETHERINGTON, E. M.; MUSSEN, P. H. (Org.). Handbook of child psychology: v.4.
Socialization, personality, and social development. 4. ed. New York, NY: Wiley, 1983. p. 1-101.
MANZINI, E. J. Considerações sobre a entrevista para a pesquisa social em educação especial: um
estudo sobre análise de dados. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.; VICTOR, S. L. Pesquisa e
educação especial: mapeando produções. Vitória: UFES, 2006. p. 361-386.
MARTINELLI, S. D. C.; SCHIAVONI, A.; BARTHOLOMEU, D. Propriedades psicométricas de
uma escala de percepção de alunos sobre as expectativas do professor. Avaliação Psicológica,
Itatiba, v. 8, n. 1, p. 119-129, 2009.
MASETTO, M. T. Docente de ensino superior atuando num processo de ensino ou de
aprendizagem. In: ______. Competência Pedagógica do professor universitário. São Paulo:
Summus, 2003. p. 43-54.
MATOS, M. G. D.; CARVALHOSA, S. F. A saúde dos adolescentes: ambiente escolar e bem-
estar. Psicologia, Saúde & Doenças, v. 2, n. 2, p. 43-53, 2001.
MIZUKAMI, M. D. G. N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986.
NOVAIS, E. L. É possível ter autoridade em sala de aula sem ser autoritário?. Revista Linguagem &
Ensino, Pelotas, v. 7, n. 1, p. 15-51, 2012.
NÓVOA, A. Para o estudo sócio-histórico da gênese e desenvolvimento da profissão docente.
Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 4, p. 109-139, 1991.
PEREIRA, M. E. M.; MARINOTTI, M.; LUNA, S. V. O compromisso do professor com a
aprendizagem do aluno: contribuições da análise do comportamento. In: HÜBNER, M. M.;
MARINOTTI, C. Análise do comportamento para a educação: contribuições recentes. Santo
André, SP: ESETec Editores Associados, 2004. p. 11-32.
PIAGET, J. Problemas de epistemologia genética. In: ______. Os pensadores. São Paulo: Abril
Cultural, 1978. p. 211-271.
RODRIGUES, D. Dez idéias (mal) feitas sobre a educação inclusiva. In: ______ (Org.). Inclusão e
educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 299-318.
ROGERS, C. R.; ROSENBERG, R. L. A pessoa como centro. São Paulo: EPU, 1977.
SANTOS, F. R. V. dos; OSTERMANN, F. A prática do professor e a pesquisa em ensino de física:
novos elementos para repensar essa relação. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis,
v. 22, n. 3, p. 316-337, 2005.
SIDMAN, M. Coerção e Suas Implicações. Tradução de M. A. Andrey e T. Sério. Campinas: Livro
Pleno, 1995.

SILVA, O. G. da; NAVARRO, E. C. A relação professor-aluno no processo ensino-aprendizagem.
Revista Eletrônica Interdisciplinar, Barra do Garças, v. 2, n. 8, p. 95-100, 2012.
SKINNER, B. F. Sobre o Behaviorismo. Tradução de M. P. Villalobos. São Paulo: Cultrix, 1974.
TOMKIEWICZ, S. Violences dans les institutions pour enfantes à l’école et à l’hôpital. In:
MANCIAUX, M. et al. (Org.). Enfances en danger. Paris, France: Fleurus, 1997. p. 309-368.
TUNES, E.; TACCA, M. C. V. R.; BARTHOLO JÚNIOR, R. D. S. O professor e o ato de ensinar.
Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, 126, p. 689-698, 2005.
VAN ZANTEN, A.; DURU-BELLAT, M. Sociologie de l’école. Paris, France: Armand Colin,
1999.
VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
WEBER, L. N. D. et al. O estresse no trabalho do professor. Imagens da Educação, Maringá, v. 5,
n. 3, p. 40-52, 2015.
______ et al. Identificação de estilos parentais: o ponto de vista dos pais e dos filhos. Psicologia:
Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 17, n. 3, p. 323-331, 2004.
ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.


Submetido em:
23/03/2023

Revisado em:
30/06/2023

Aceito em:
12/07/2023

Publicado em:
26/07/2023

64c157a8a953954ea84dea53 wwwsalaoito Articles
Links & Downloads

Sala Oito

Share this page
Page Sections